sexta-feira, 19 de setembro de 2008


Eu saio, vou para os mesmos lugares, falo com as mesmas pessoas, possivelmente faço as mesmas coisas. Adoro uma rotina. Não me perturba que seja assim. O que me perturba na verdade é a forma como as pessoas e as relações são mutáveis. Quando “te ver não é mais tão bacana quanto na semana passada”, questiono o que será que dita à forma como você se sente em relação a alguém? Serão as atitudes dela ou as nossas atitudes vinculadas a ela? Eu escuto muita gente falar que se apega muito fácil. Eu já fui assim. Mas estou deixando de ser. Tenho me sentido numa fase “eu me desligo mais fácil”. Quem quer ficar fica, quem não quer vai embora... Eu até choro, vou atrás, crio reconciliações, mas obrigar eu não posso, controlar muito menos. Aí quem vai embora sou eu. E me desligo... Mesmo sabendo ser uma pessoa sensível, também consigo ser fria, ainda que inicialmente isso me rasgue por dentro. Acho que isso acontece nas horas da vida em que a gente sabe ser atriz. Minha frieza é rara? Não sei. Sei que me espanta, porque sem atuação ela pode agredir mais ainda. Mas os acontecimentos mudam. Os dias trazem amadurecimentos, ainda que forçados. Vão comprovando hipóteses e jogando verdades na nossa cara. E por mais engraçado que pareça, só aparentemente dói. Lá no fundo, analisando a situação de forma a se colocar distante, como se houvesse assistido desde o princípio e apenas nos bastidores, você vê que na verdade não machucou tanto assim. Trata-se apenas de uma boa dose de amor-próprio ferido, mas nada que uma noite bem vivida não resolva. Resolve sim... Te ver pode não ser mais tão bacana quanto na semana passada, mas outros sentidos permanecerão, até porque antes não era assim...
Estou de mudançaaaa...finalmente!!!!...rsssss... Muita correria mesmo!

Assim que tiver um tempinho indicarei os blogs!

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Meus dias de domingo ganha os primeiros 2 selos...O prêmio de dardos..


Fui homenageada com o selo pelos blogs, Minhas Misturas e Kanaalizando, blogs com os quais me identifico e gosto muito. O Prêmio Dardos, tem a intenção de reconhecer os valores que cada blogueiro mostra cada dia em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Fiquei muito feliz pela indicação.

Este selo possui algumas regras:

1. Aceitar exibir a imagem do selo no seu blog e cumprir as regras.

2. “Linkar” o blog do qual recebeu o prêmio.

3. Escolher 15 blogs para entregar o prêmio.

Realmente, 15 blogs é muita coisa...mas em breve estarei postando aqui minhas indicações.



terça-feira, 16 de setembro de 2008


Hoje aconteceu algo que me deixou muito feliz! É a primeira vez da minha vida que posso dizer que adquiri um bem material, um imóvel no meu nome. Não será o primeiro apartamento que irei morar sozinha, já morei em alguns outros alugados, mas o primeiro que poderei não só chamar de lar, mas sim, de MEU lar, de MEU AP, o MEU cantinho. A respeito do outro post sobre o que quero para minha vida, o meu mais novo objetivo foi hoje concretizado.
E veja bem como são as coisas, há cinco meses atrás, fiquei sabendo deste ap, mas ele já tinha sido vendido e era exatamente o que eu queria. Parei de procurar por um tempo e voltei a olhar faz 18 dias. Fomos atrás do proprietário e começamos a negociar há 5 dias e ele não queria vender(detalhe). Mas tive muita fé, entreguei nas mãos de Deus, fiz a minha parte e deixei que ele fizesse o resto. E ai? Minha maior surpresa e prova de que ele é o cara. Em 5 dias foi fechado o negócio e a inquilina que teria o prazo de 30 dias para sair, resolveu fazer a mudança hoje. 16/09/08 um dia que jamais irei esquecer, data muito importante na minha vida. Só tenho a agradecer, primeiro a Deus que por incrível que pareça, foi na frente arrumando tudinho pra mim. E aos meus avós, que sem eles esse sonho jamais seria possível, pessoas que valem diamante, meus anjos. A minha mãe que sempre da um jeito em tudo e me apóia em todas as decisões importantes da minha vida. A minha amiga Josi, que toda novidade ligo pra contar, tenho ocupado boa parte do tempo dela e fora a mudança e a decoração né, que já esta convocada. Ao meu namorado que tem me apoiado e sido um amor em me agüentar nessa fase ora maníaca, em que engato uma primeira e não paro nunca mais de falar e pensar na minha nova casa, ora depressiva, achando que por momentos nada vai dar certo, que esta tudo perdidoooo...rsrsrs... e ainda por cima disse que me ajudaria no que fosse possível quanto ao ap, não sabe o que espera pela frente.. rsrsrsrsr... (brincadeira). A minha vóvis que saiu hoje pra escolher um quarto comigo. E a todos que me amam e que estão me dando um grande apoio moral.

Meu muito obrigadaaaaaaa!!!

Quero que saibam, que jamais esquecerei tudo o que vcs tem feito por mim ...amo a todos, cada um tem um lugarzão muito especial no meu coração.

Agora é só começar a mudança e ir pra casa nova ;)

Todos os dias morre um amor. Quase nunca percebemos, mas todos os dias morre um amor. Às vezes de forma lenta e gradativa, quase indolor, após anos e anos de rotina. Às vezes melodramaticamente, como nas piores novelas mexicanas, com direito a bate-bocas vexaminosos, capazes de acordar o mais surdo dos vizinhos. Morre em uma cama de motel ou em frente à televisão de domingo. Morre sem beijo antes de dormir, sem mãos dadas, sem olhares compreensivos, com gosto de lágrima nos lábios. Morre depois de telefonemas cada vez mais espaçados, bilhetes cada vez mais concisos, beijos que esfriam aos poucos. Morre da mais completa e letal inanição. Todos os dias morre um amor. Às vezes com uma explosão, quase sempre com um suspiro. Todos os dias morre um amor, embora nós, românticos mais na teoria do que na prática, relutamos em admitir. Porque nada é mais dolorido do que a constatação de um fracasso. De saber que, mais uma vez, um amor morreu. Porque, por mais que não queiramos aprender, a vida sempre nos ensina alguma coisa. E esta é a lição: amores morrem. Todos os dias um amor é assassinado. Com a adaga do tédio, o veneno da indiferença, a forca do escárnio, a metralhadora da traição. A sacola de presentes devolvidos, os ponteiros tiquetaqueando no relógio, o silêncio ensurdecedor depois de uma discussão: todo crime deixa evidências. Todos nós fomos assassinos um dia. Há aqueles que, feito Lee Harvey Oswald, se refugiam em salas de cinema vazias. Ou preferem se esconder debaixo da cama, ao lado do bicho-papão. Outros confessam sua culpa em altos brados, fazendo de pinico os ouvidos de infelizes garçons. Há aqueles que negam, veementemente, participação no crime, e buscam por novas vítimas em salas de chat ou nas baladas, sem dor ou remorso. Os mais periculosos aproveitam sua experiência de criminosos para escrever livros de auto-ajuda com nomes paradoxais como "O Amor Inteligente", ou romances açucarados de banca de jornal, do tipo "A Paixão Tem Olhos Azuis", difundindo ao mundo ilusões fatais aos corações sem cicatrizes. Existem os amores que clamam por um tiro de misericórdia: corcéis feridos. Existem os amores-zumbis, aqueles que se recusam a admitir que morreram. São capazes de perdurar anos, mortos-vivos sobre a Terra teimando em resistir à base de camas separadas, beijos burocráticos, sexo sem tesão. Estes não querem ser sacrificados, e, à semelhança dos zumbis hollywoodianos, também se alimentam de cérebros humanos, definhando paulatinamente até se tornarem laranjas chupadas.
Existem os amores-vegetais, aqueles que vivem em permanente estado de letargia, comuns principalmente entre os amantes platônicos que recordarão até o fim de seus dias o sorriso daquele moreninho da 4a. série, ou entre fãs que até hoje suspiram em frente a um pôster do Elvis Presley. Mas hesito em dizer que isso possa ser classificado como amor (Bah, isso não é amor. Amor vivido só do pescoço pra cima não é amor).
Existem, por fim, os amores-fênix. Aqueles que, apesar da luta diária pela sobrevivência, das contas a pagar, da paixão que escasseia com o decorrer dos anos, da TV ligada no Faustão ao final do domingo, das calcinhas penduradas no chuveiro e das brigas que não levam a nada, ressuscitam das cinzas a cada fim de dia e perduram - teimosos, e belos, e cegos, e intensos. Mas estes são raríssimos, e há quem duvide de sua existência. Alguns os chamam de amores-unicórnio, porque são de uma beleza tão pura e rara que jamais poderiam ter existido, a não ser como lendas. Mas não quero acreditar nisso, afinal, tenho a certeza que o meu é esse! ;)

sábado, 13 de setembro de 2008

Uma forma criativa de mostrar os passos para eliminar os maus sentimentos.... tudo através do amor... ;)


Instalando o Programa Amor...

Cliente: Alô... é do Setor de "Atendimento ao Cliente"???

Atendente: Boa tarde Senhora. Em que lhe posso ser útil?

Cliente: Comprei o seu programa AMOR, mas até agora

não consegui instalar.

Eu não sou técnica no assunto, mas acho que posso

instalar com a sua ajuda. O que eu devo fazer primeiro?

Atendente: O primeiro passo é abrir o seu CORAÇÃO.

A senhora encontrou seu CORAÇÃO?

Cliente: Sim, encontrei. Mas há diversos programas funcionando agora.

Tem algum problema em instalar o AMOR enquanto

outros programas estão funcionando?

Atendente: Que programas estão funcionando, senhora?

Cliente: Deixe-me ver... Eu tenho BAIXA ESTIMA.EXE,

RESSENTIMENTO.COM, ODIO.EXE

e RANCOR.EXE funcionando agora.

Atendente: Nenhum problema. O AMOR apagará

automaticamente RANCOR.EXE de seu sistema operacional atual.

Pode ficar em sua memória permanente,

mas não vai causar problemas por muito tempo para outros programas.

O AMOR vai reescrever BAIXA ESTIMA.EXE em uma versão melhor,

chamada AUTO ESTIMA.EXE. Entretanto,

a senhora tem que desligar completamente o

ODIO.EXE e RESSENTIMENTO.COM. Esses programas

impedem que o AMOR seja instalado corretamente.

A senhora pode desligá-los?

Cliente: Eu não sei como desligá-los. Você pode me dizer como?

Atendente: Com prazer! Vá ao Menu e clique em PERDAO.EXE.

Faça isso quantas vezes forem necessárias, até o ODIO.EXE e

RESSENTIMENTO.COM serem apagados completamente.

Cliente: Ok! Terminei! O AMOR começou a instalar-se automaticamente.

Isso é normal?

Atendente: Sim, é normal. A senhora deverá receber

uma mensagem dizendo que reinstalará a vida de seu coração.

A senhora tem essa mensagem?

Cliente: Sim, eu tenho. Está completamente instalado?

Atendente: Sim. Mas lembre-se: a senhora só tem o

programa de modelo básico.

A senhora precisa começar a se conectar com outros

CORAÇÕES a fim de obter melhoramentos.

Cliente: Oh! Meu Deus! Eu já tenho uma mensagem

de erro. Que devo fazer?

Atendente: O que diz a mensagem?

Cliente: Diz: "ERRO 412 - O PROGRAMA NÃO FUNCIONA

EM COMPONENTES INTERNOS ".

O que isso significa?

Atendente: Não se preocupe, senhora. Este é um problema comum.

Significa que o programa do AMOR está ajustado para

funcionar em CORAÇÕES externos,

mas ainda não está funcionando em seu CORAÇÃO.

É uma daquelas complicadas coisas de programação,

mas em termos não-técnicos, significa que a senhora

tem que "AMAR" sua própria máquina antes que possa amar outra.

Cliente: Então, o que devo fazer?

Atendente: A senhora pode achar o diretório chamado

"AUTO ACEITAÇÃO"?

Cliente: Sim, encontrei.

Atendente: Excelente! A senhora está ficando ótima nisso!

Cliente: Obrigada!

Atendente: De nada. Faça o seguinte: clique nos arquivos BONDADE.DOC,

AUTO ESTIMA.TXT, VALORIZE-SE.TXT, PERDÃO.DOC

e copie-os para o diretório "MEU CORAÇÃO".

O sistema irá reescrever todos os arquivos em conflito e

começará a consertar a programação defeituosa.

Também a senhora precisa apagar AUTO CRITICA.EXE

de todos os diretórios e depois esvazie a sua lixeira para

certificar-se de que nunca voltem.

Cliente: Consegui! Meu CORAÇÃO está cheio de arquivos realmente puros!

Eu tenho no meu monitor, agora, o SORRISO.MPG e

está mostrando que PAZ.EXE, CONTENTAMENTO.COM e

BONDADE.COM foram instalados automaticamente no meu CORAÇÃO.

Atendente: Então, terminamos! O AMOR está instalado e funcionando,

Ah! Mais uma coisa antes de eu ir.

Cliente: Sim?

Atendente: O AMOR é um programa grátis.

Faça o possível para distribuir uma cópia de seus vários

modelos a quem a senhora encontrar e, dessa forma, a

senhora receberá de volta dessas pessoas novos

modelos verdadeiramente puros.

Cliente: Obrigada pela sua ajuda!


Li um dia desses e achei uma graçinha... :)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Olha, desta vez você passou das medidas. Só não boto você para fora, agora, porque é a sua cara dar escândalo.

Estou cheia de você atrás de mim o tempo todo. Fica se fazendo de fofa, enquanto, pelas minhas costas, chama a atenção de todo mundo para meus defeitos.
Você está redondamente enganada se pensa que eu vou me rebaixar ao seu nível – o que vem de baixo não me atinge. Mas faço questão de desancar essa sua pose empinada.

Por que nunca
encara as coisas de frente?
Fica parecendo que
tem algo a esconder. Por
acaso, faz alguma
coisa que ninguém
pode saber?

Você é, e sempre foi, um peso na minha existência – cada papel que me fez passar... Diz-se sensível e profunda, mas está sempre voltada para aquilo que já aconteceu. Tenho vergonha de apresentar você às pessoas, sabia?
Por que você nunca encara as coisas de frente, bunda? Fica parecendo que, no fundo, tem algo a esconder. Por acaso, faz alguma coisa que ninguém pode saber? O que há por trás de todo esse silêncio?
Você diz que está dividida e que eu preciso ver os dois lados da questão. Ora, seja mais firme, deixe de balançar nas suas posições.
Longe de mim querer me meter na sua vida privada, mas a impressão que dá é que você não se enxerga. Porque está longe de ter nascido virada para a lua e costuma se comportar como se fosse o centro das atenções.
Bunda, você mora de fundos, num lugar abafado. Nunca sai para dar uma volta, nunca toma um sol, nunca respira um ar puro. Vive enfurnada, sem o mínimo contato com a natureza. O máximo que se permite é aparecer numa praia de vez em quando, toda branquela.
Não é de admirar que esteja sempre por baixo. Tentei levar você para fazer ginástica, querendo deixar você mais para cima, mas fingiu que não escutou.
Saiba que você não é mais aquela, diria até que anda meio caída. E vai ter que rebolar para mexer comigo, de novo, da maneira que mexia.
Lembro do tempo em que eu, desbundada, sonhava em ter um pouquinho mais de você. Agora, acho que o que temos já está de bom tamanho. E, pensando bem, é melhor pararmos por aqui antes que uma de nós acabe machucada.
Sei que qualquer coisinha deixa você balançada, então não vou expor suas duas faces em público. Mas fique sabendo que, se você aparecer, constrangendo-me diante de outras pessoas, levarei seu caso ao doutor Albuquerque*.
Lamento, isso dói mais em mim do que em você, mas você merece o chute que estou lhe dando. Duplamente decepcionada.

* cirurgião plástico Pedro Albuquerque.


Adorooo!!..rssss...Muito bom!!

Não poderia ser ninguém além de Fernanda Young, para explicitar de forma tão inteligente o conflito que nós mulheres mantemos com ela, a bunda.


terça-feira, 9 de setembro de 2008

*Florais de Bach.
Benefícios , curiosidades, tratamento, forma de ação...
* Homeopatia.

Em breve!

domingo, 7 de setembro de 2008


05/09/2008. Parabéns pra nós! 6 meses de muitoooooo namoro, apesar da distância...rsrsrsrs.... Espero que venham mais muitos dias, meses e anos, enquanto houver respeito, intensidade, entusiasmo, amor e dedicação.

Se você tem alguém especial...
ame-a com todas as foças e não deixe pequenas coisas interromperem sua felicidade.
Se você tem alguém especial...
Diga que você a ama, que sente sua falta quando está longe, que você se sente bem com a voz e alegria dela.
Se você tem alguém especial....
faça isso sempre, enquanto ela está ao seu lado.


"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."
Saint-Exupèry

sexta-feira, 5 de setembro de 2008


Os relacionamentos de amor sempre me surpreendem. Quando penso que entendo alguma coisa a respeito do assunto, esbarro com o nariz na porta do espanto.
Na realidade, com algumas exceções, todas as relações começam com entusiasmo e acabam com indiferença. Aqui cabem parênteses (não me refiro àquelas que duram até a que a morte separa. Mas sim, as que tem vida curta num cotidiano muito comum).
Voltemos, pois, aos comentários sobre os relacionamentos em seus preâmbulos e epílogos.
No início, somos provocados por uma sensação de descoberta. Cada momento tem a dimensão do infinito. O olhar tem mais brilho, o coração bate e rebate pulsações em um simples pensamento sobre o outro, que não é mais um outro qualquer, é o prolongamento de nossa própria pele. Suspiramos, divagamos, ficamos andando sobre nuvens. E o melhor, é que sorrimos sem motivo algum. Basta imaginar o próximo encontro, o abraço seguinte. Tudo é euforia e encantamento.
Outro detalhe interessante é que quando começamos a nos envolver afetivamente com alguém, esse alguém, coincidentemente, na maior parte das vezes, nos corresponde em gênero, número e grau a todas as nossas manifestações, ansiedades, expectativas.
Extremamente bom sentir, ao mesmo tempo, idêntica atração, mútuos interesses. Parece que conspiram a nosso favor em reuniões tribais de alta esfera, lá pelos lados do reino dos anjos e nos proporcionam esse estado de ânimo.
A partir daí, nós mulheres, passamos a habitar uma nova dimensão. Plenas de entusiasmo, de muito vigor e ar nos pulmões, saltamos de asa delta, praticamos wind surfe, escalamos montanhas, pescamos no Pantanal, preparamos quitutes culinários, sorrimos à toa, encaramos os problemas “numa boa” e tudo o mais que se fizer necessário para acompanhar o bem amado no maior alto astral.
Ele, por sua vez, lembra do nome do nosso perfume preferido, ajeita o cobertor nos ombros dessa “amada pelo amor predestinada, sem a qual a vida é nada”, que adormeceu esperando por ele e por aquela pizza que ele preparou especialmente para comemorarem o aniversário de namoro. Sem falar que ele escolheu o filme, que dissemos que queríamos assistir, na locadora e foi buscar, apesar da chuva que caía. O amor é lindo!
Com o passar do tempo e muito lentamente, a apatia toma lugar do entusiasmo e “o que era doce, acabou-se”. Inexplicavelmente, as coisas mudam. E é inexplicavelmente mesmo! Por maiores e mais específicas conclusões que se queira chegar, é impossível encontrar um denominador comum.
Da nossa disposição do princípio, restam só as fotos, documentando a coragem e ousadia com toques de aventura tipo Indiana Jones, que deixaram de fazer sentido e fazem parte de um acervo distante e fora de foco, de que, muitas vezes, nem queremos lembrar.
Quando as relações amorosas alcançam o seu término, um único sintoma se contrasta: a indiferença. Uma plácida apatia toma as rédeas dos afetos e pronto! Onde se lia ardor, leia-se desinteresse. Ao invés de arrebatamento, inércia.
Nessas ocasiões, nem sempre o desfecho se dá de comum acordo e sob as mesma circunstâncias. Misteriosos labirintos os das paixões humanas, que começam num ritmo semelhante e que acabam em descompasso. Sabe lá a razão!
Como Jair Amorim e Ewaldo Gouvêa tão breve escreveram: “No amor é sempre assim: -só chora um dos dois. Primeiro alguém, agora eu. Será você depois”.
O destino, que elabora os planos e provoca os encontros, ainda, não conseguiu acertar nos dispositivos de arremates dos amores, em seus desfechos.
E eu, constantemente, surpreendida pelo óbvio, pelo presumível, constato minha inconformidade com a apatia. Sou fã incondicional do entusiasmo. Na dúvida, aposto no ardor, nunca na inércia. Mas, não fico imune aos imprevistos é claro.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Como forma de motivação para meus estudos, resolvi postar no blog alguns vídeos da PRF, treinamentos, apreensões, uma série de atividades que eu futura concursada, estarei desenvolvendo ano que vem. Assim quando desanimar, venho dar uma olhadinha no que estarei perdendo. Tanto nas atividades, quanto financeiramente $$$

video

Muito showww!!! Ano que vem é noixxxx... ;)


video


video


video


video




Distorção

“A culpa é minha, só minha. Eu que te enxerguei como mar quando eras uma gota, quase evaporada, caída sobre a calçada. A culpa é toda minha, que te ouvia como sonata quando não passavas de uma nota, sozinha. Eu que te engolia como banquete, quando eras apenas pedaços. Eu que teimava em dizer que eras único, quando nem eras mais nada”


Um dos textos que mais gosto da minha amiga Josi...já que estou sem inspiração ...


terça-feira, 2 de setembro de 2008


Carrego seu coração

"Carrego seu coração comigo
(eu o carrego no meu coração)
nunca estou sem ele
(onde quer que eu vá, você vai,
e o que quer que seja feito por mim
é feito por você)

Não temo o destino
(pois você é o meu destino, minha vida)
não quero o mundo
(pois você é o meu mundo)
e você é o que a lua sempre significou,
o que o sol sempre cantou

Aqui está o segredo mais profundo que ninguém sabe
(aqui está a raiz da raiz, o broto do broto
e o céu do céu de uma árvore chamada vida;
que cresce mais alta do que a alma pode ansiar
ou a mente pode esconder)
e aqui está o fenômeno que mantém as estrelas separadas.

Carrego seu coração
(eu carrego no meu coração)."

( EE. Cummings )


segunda-feira, 1 de setembro de 2008

dunas..

“Me ame quando eu menos merecer, pois é quando eu mais preciso"



E que a minha loucura seja perdoada. Porque metade de mim é amor e a outra metade... também.

"A vida não é medida pelo número de vezes que você respirou, mas pelos momentos em que você perdeu o fôlego...De tanto rir... De surpresa... De êxtase... De felicidade..."



"A ausência diminui as pequenas paixões e aumenta as grandes, da mesma forma como o vento apaga as velas e atiça as fogueiras."( La Rochefoucault)


"O melhor da vida é quando encontramos pessoas que saibam fazer de pequenos instantes grandes momentos."



"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem...



...Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis." (Fernando Pessoa)



"Há momentos na vida em que se deveria calar... e deixar que o silêncio falasse ao coração; Pois há sentimentos que a linguagem não expressa... e há emoções que as palavras não sabem traduzir..."








;)